Inicial / Brasil / Vibrador trifásico de católica seria o motivo do apagão de 2015

Vibrador trifásico de católica seria o motivo do apagão de 2015

O ano mal começou e os brasileiros foram surpreendidos por um novo e misterioso apagão que atingiu aproximadamente metade dos estados brasileiros. De lá para cá vimos o governo e suas agências responsáveis totalmente despreparados e sem nenhuma explicação concreta do que realmente aconteceu. Até o fechamento dessa matéria tanto o governo como a ONS ainda não deram nota conclusiva, apenas que “o problema está sendo investigado”.

Se por um lado o governo não quer ou não sabe explicar o que aconteceu, um boato está tomando cada vez mais força nas redes sociais e parece explicar o que realmente ocasionou a misteriosa falta de energia. Na pequena cidade de Moriporã, interior do PR, um grupo de vizinhos diz ter notado algo muito estranho no dia tivemos o apagão; segundo eles, em dezembro de 2014 uma mulher que reside na vizinhança voltou de compras no Paraguai com uma enorme e misteriosa caixa, passou-se os dias e através de uma amiga da conhecida a fofoca era de que o que ela tinha comprado era um vibrador de grande porte com capacidade para três mulheres ao mesmo tempo.

Foto de como acredita-se ser o vibrador adquirido
Foto de como acredita-se ser o vibrador adquirido

O fato criou um enorme desconforto na cidade, tudo isso deve-se pelo fato da mulher em questão ser uma das principais colaboradoras da Igreja Católica na cidade, a notícia tomou tão grande proporção que comentam que a mesma veio a se justificar dizendo que foi uma compra feita para re-vender a outra pessoa, seria apenas para comércio e não para uso pessoal. Parece que essa história não era verdadeira, segundo o grupo de vizinhos no dia do apagão ouviram um grande barulho de motor vindo da casa da cidadã, seguido de baixas na tensão elétrica, o barulho continuo por alguns minutos até que ouve o apagão, o mesmo que afetou parte do Brasil. Nossa redação consultou um especialista em gestão elétrica para analisar o caso, segundo ele as especificações do produto no site do fabricante dizem que o equipamento deve ser instalado em rede trifásica (380V) mas a corrente elétrica na cidade é monofásica (110V). Utilizar equipamentos trifásicos em rede monofásica geralmente ocasiona o desligamento da rede elétrica da região para evitar danos maiores. O azar seria que Mariporã está situada diretamente sob a saída principal da Usina de Itaipu, ou seja, uma sobrecarga na cidade poderia também desligar o abastecimento dos estados que recebem energia da usina.

Além de deixar meio país as escuras, caso se confirme, a história também levará problemas a dona do equipamento pois o mesmo não é homologado pela ANVISA. Comercializar produtos eróticos sem a autorização da ANVISA é crime com penas que variam desde pagamento de multa até dois anos de reclusão. Consultada pela nossa redação, a ANVISA declarou que não homologa vibradores de grande porte pois não tem pessoal capacitado para testar o equipamento.

Apesar de ser apenas um boato, a notícia já causou grande desconforto nos representantes da Igreja Católica da cidade, acredita-se que a colaboradora será desvinculada da instituição. Também circula o boato de que os vizinhos da mulher que comprou o vibrador estão analisando entrar contra a mesma na justiça pelo crime de blasfêmia. Além disso, o próprio governo pode entrar com ação contra ela por crime de dano ao patrimônio público, uma vez que o apagão causou enorme danos econômicos às industrias além do caos aos cidadãos que residem nas grandes cidades do país.

Sobre Redação

Veja também

apropriação cultural

Mais de mil brancos foram presos por apropriação cultural durante o carnaval

Apropriação cultural que recentemente se tornou crime é dionto pelo STJ, Fiscalização Cultural (uma divisão da Policia Federal) …

Deixe uma resposta